segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Dos frios rios nublados.

Dos frios rios nublados
Que doei ao meu amor
Humanos foram logrados

E que na primavera, uma rosa floresça
E brote nos seus cabelos ruivos
Uma trama que meu amor aqueça

Cala-te mundo vão
Que me rouba inspiração
Para vender em troca da alma

Do pobre sonhador fiel,
Amante de fel
Carrega o mundo na palma

Da mão, que te rima
Pra da minha menina
Ganhar atenção

O mundo se forma
Aqui a tristeza torna
A sofrer meu perdão.

Um comentário:

  1. Escreves poesia como ninguém, Passarinha. Voa longe entre as palavras, arruma maneiras de brincar entre as nuvens com nosso idioma. Transforma-o, dando-o asas a tua mente, lançando voo. E eu voo junto.
    Num dia desses, visite meu blog e deixei alguma marquinha tua por lá. Ficarei feliz em vê-la.

    ResponderExcluir

(Como eu estou escrevendo?) Acrescente suas ideias, estrelinha...