quinta-feira, 21 de julho de 2011

Para o meu brotinho.

ÓH! Meu queijinho moderno
Me ensine a ser vinte e um
Rabisque-me no teu caderno
E seja, quem sabe, meu desjejum.

Menina das vestes curtas
E vocabulário confuso
Das tendências absurdas
Onde gênios não são inclusos

Divina dama que não sabe lidar
Com meu romantismo exagerado
Por vezes a desmanchar
Versos que lhe tenho poetado.

2 comentários:

(Como eu estou escrevendo?) Acrescente suas ideias, estrelinha...