terça-feira, 8 de março de 2011

Evento: Baile das letras. Local: Olhos.

Danço com as palavras da folha nua do papel
Vão saindo à procura de olhos
Olhos verdes, olhos azuis, olhos castanhos
E os olhos da alma que são os meus preferidos
As letras vão saindo em sua jornada
Vão calculando uma a uma
Outra a outra
Será que encontram seus olhos?
Olhos, que insistência neles, não?
Ontem mesmo vi dois olhos castanhos pousarem nos meus
Esses não fecharam, esses ficaram a me encarar
Pareciam confusos, tentavam ler nos meus olhos
A essência de minha alma.
Eu li nos seus e eles leram nos meus
E encontrei um bocado de perguntas para as minhas confusas respostas
Mas e as minhas perguntas?
Li nesses mesmos olhos que as minhas perguntas poderiam levar as suas
E que as suas perguntas poderiam se formar minhas respostas.

Pois então, nos mesmos olhos se formou uma tempestade
E as letras das palavras choveram dentro dos meus.
E letrinhas confusas navegam agora nas poças d’água dos meus olhos
Enquanto eu espero pacientemente pelo Sol.

5 comentários:

  1. Posso participar do Baile das letras? Pois já me senti em casa.
    Escreves com a alma, Passarinha.

    Lindo, lindo. E mais uma vez, digno de ti.

    ResponderExcluir
  2. Os olhos são as janelas da alma, não são, amor?

    <3

    ResponderExcluir
  3. Você escreveu tão bem, que conseguiu me fazer pensar em alguém enquanto eu lia. Está muito bom.
    Eu reparo muito nos olhares, talvez seja por isso que gostei tanto assim.

    ResponderExcluir
  4. "Pois então nos meus olhos se formou uma tempestade." E isso tem acontecido com tanta frequência.

    Está lindo Hozze.

    ResponderExcluir
  5. Pois eu digo mais, tu escreves muito mais além da alma. Não sei pra onde vai esse além, mas que escreve além da alma, isso sim. Divino!

    ResponderExcluir

(Como eu estou escrevendo?) Acrescente suas ideias, estrelinha...