sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Belíssima!

Seus olhos se desenrolam
Com as feições do seu rosto-poema
Sua voz é como ritmo de um verso
Seus mistérios são como o encanto
E a espera, que - com - a poesia desvenda (a si mesma)
Seus sorrisos são flor que desabrocha.
                                                   
                                                             E você...
                                                                                        Belíssima(!),
É agora meu poema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

(Como eu estou escrevendo?) Acrescente suas ideias, estrelinha...