segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O poeta e a Pena.



Cantou o canto dos pássaros para impressionar o poeta
Fez-se rima, fez-se verso para por ele ser poetada.
Caminhou por noites escuras na direção da Lua
Fez-se lágrima pro rosto do poeta lavar.
Deixou o corpo livre, sem pesos, fez-se tua.
E pôde flutuar
Como pena pro céu acima.
O poeta observador de detalhes a viu
E com seu muito honrado cavalheirismo
Fez-se vento pra soprar
Foi levando nos braços a pena avoada
Por todo o céu numa viagem em busca de onde pousar.
Num sopro forte, por descuido
A pena se foi para longe.
Alguns chamam de destino
Ela caíra no nariz de uma criança que espirrou
E foi-se voando e voando sorrindo
Nunca parou.
Foi-se experimentando a vida do alto:
Como sempre sonhou.
E a jovem, sabida, conseguiu impressionar o poeta.

Um comentário:

  1. Vc escreve muito bem, adorei! Parabéns!
    E se vc puder dar uma passada no meu blog esse é o link: http://lorenbeiram.blogspot.com/

    ResponderExcluir

(Como eu estou escrevendo?) Acrescente suas ideias, estrelinha...