domingo, 23 de janeiro de 2011

Bem-me-quer/Mal-me-quer.

O beijo que devora
Inveja a natureza
Entristece o predador.

E quando chega a hora
E lá vem com sua beleza
Beijar a flor, o beija-flor.

Vem voando e lhe cheira
Lavando o corpo com seu frescor
Impossível negar o beijo do seu amor.

Ele a beija, pois não conhece as palavras...
Eu, poeta, tão prolixo
Faço destas minhas asas.

Quereria virar beija-flor
Minha poesia eu chamaria de rosa
És aprazível e formosa...

... E as rimas seriam o bater de minhas asas...

3 comentários:

(Como eu estou escrevendo?) Acrescente suas ideias, estrelinha...